breve-brevíssimo ou aquele morre-não-morre

Na iminência do incêndio, o inominável já está à espreita. Uma precisão de dar vida a um que toca, machuca. E lá vai o demônio... embaixo da mesa, na ponta dos dedos, pelas costas, beiço colado ao ouvido esquerdo. De mãos dadas com o diabo, vou ao caminho de Deus. Re-bento. Antes de Maria cerzir as próprias fissuras, o batismo é consumado – a obra já nasce benzida pelo coxo. Fruto de vosso ventre maldito e da maldade de escrever. Ficamos assim: Deus é o significado, o diabo, o significante.

domingo, 1 de maio de 2005

 

Sui generis

E aconteceu que ela mirou-se no Cinismo. Cismou. Adotou a corrente filosófica concebida por Diógenes e fez dela a sua própria filosofia. Num mundo estimulador de angústia e obrigações estúpidas, só mesmo a ironia - tão bem iniciada por Sócri - para nos fazer resistir à "ilusão do natural" que a sociedade nos condiciona; só mesmo o escárnio para nos fazer sobreviver ao despotismo da Alpha 60; sim, para suportar a dor do vazio e da essência que se mistura à sujeira e se torna merda, só mesmo vendo em tudo um grande e ignóbil chiste! Tão divertido...

E então ela seguia pela típica avenida já anoitecida e dominada pela aura que acaba de receber: a noite e seus fantasmas. Empregava no passo o acelerado e nervoso ritmo dos temerosos. Vinha com a alma cheia de lapsos deturpados e espasmos literários. Ela pedia. Em sua perspectiva animista, sua presença estabelecia comunicação com a "alma" daquele poderoso símbolo urbano. O diálogo funcionava desigual: de um lado, o imponente complexo citadino, do outro, a ínfima criatura. Prosseguia, contrariava a maré: agredida pelo medo imposto, retribuía com provocações. Que divertido a menininha indefesa ameaçada pelo perigo da rua. Se a violência é fruto social, quero viver a sociedade intensamente. Que bonito experenciar essa realidade construída. Pé-ante-pé, o destino se faz longo, a ironia é também externa. Em meio ao conflito interno, avista pequenas e excitadas sombras. Algo nasce. Aquela que retrucava se cala. Ela e as novas almas se aproximam. Dois moleques a cercam - corte para a evocação de imagens - algo no íntimo é tocado, os conselhos dos mais velhos, os "índices alarmantes", as notícias do jornal -, o Outro a busca. Asfalto, chinelo, um sorriso ameaçador. E é ele quem efetua: num estalar, direciona a boca e lasca um beijo em seu seio. "Pronto, beijei a florzinha dela". Muitas risadas. O empurrão exaltado dá conta de liberar o então bloqueio no caminho, um choque de braços, um choque. [Ninguém mergulha duas vezes na mesma realidade social, nunca será a mesma pessoa, nunca será a mesma realidade] Contrariados pela audácia da "menininha indefesa", partem para o ataque, eles teriam de sair vitoriosos. A vitória, aqui, é a humilhação da classe - personificada pela garota - que sempre os humilhou. E ela já ia andando na frente, incerta com o passo e com a alma, até que foi alcançada por eles. Um a segura, imobilizando-a com o puxão de seus braços para trás; o outro a encara, feição irônica: "Quanta pressa", desliza os dedos por entre os fios de cabelo dela, em seguida, sob um dos seios e abre um dos botões da camisa dela. Um chute desesperado. Eles lutam - é a luta, é a luta -,tapas e socos. Ela se desvencilha. Corre-corre. Perseguição acirrada: a classe dominante na frente, em minoria, perseguida pela classe dominada, em maioria, perseguindo a classe dominante, em minoria. Em velozes passagens de imagens, sobrepostas e mescladas, a cabeça num zumbido metralhada por lapsos, o fôlego que está por acabar e, enfim, alcança a estação de metrô. Fim da perseguição, início de quê? Em meio a lágrima, o orgulho choroso: Tão divertido, tão divertido...


Refutando a lógica vigente, as regras do jogo, o condicionamento, o poder simbólico, a tendência, a trajetória autônoma, a ideologia subentendida, o hábito que se sobressai à própria convenção e se torna costume social. Nós, os inadaptados e potencialmente suicidas, os subversivos de Alphaville, negamos o "reflexo mental", a ação não-calculada e automática, o efeito do Grande Campo. Contra o inatismo dos pressupostos, a preocupação imanente, o medo estuprador, a análise padronizada, o desespero coerente. O desespero coerente.
Só o absurdo nos faz feliz.

Arquivos

Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Agosto 2005   Outubro 2005   Janeiro 2006   Maio 2006   Agosto 2006   Janeiro 2007   Dezembro 2007   Fevereiro 2009   Janeiro 2010  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]