breve-brevíssimo ou aquele morre-não-morre

Na iminência do incêndio, o inominável já está à espreita. Uma precisão de dar vida a um que toca, machuca. E lá vai o demônio... embaixo da mesa, na ponta dos dedos, pelas costas, beiço colado ao ouvido esquerdo. De mãos dadas com o diabo, vou ao caminho de Deus. Re-bento. Antes de Maria cerzir as próprias fissuras, o batismo é consumado – a obra já nasce benzida pelo coxo. Fruto de vosso ventre maldito e da maldade de escrever. Ficamos assim: Deus é o significado, o diabo, o significante.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

 
A Patricia Misson

E dizem que ela ia balançando a sainha que subia e descia nas coxas azeitadas. Umas pernas que sambavam, meu Deus. Um passo mais assim e já mostrava as dobras, os culotes caprichados, os sulcos e todas essas coisas que as mulheres de verdade têm. As têmporas molhadas, os fios negros umedecidos pelo suor dos movimentos de há pouco. Amorenada, de beiços e tudo, e uns olhos de. E dizem que ia. No rebolado do andar, ainda guardava no corpo encharcado de rum o ritmo diabólico da dança, tinha quê de santeria. A pele trazia o fartum dos charutos que pendiam das bocas dos senhores rotundos. Na memória, as melodias todas e a orgia dos corpos no salão – mosaico de balés infernais.
E dizem que vinha da casa de show mais suja e famigerada da Velha Havana, cortando o silêncio sonolento daquelas alamedas, acordando espíritos e entidades. Despertava a recente manhã daquelas ruas antigas, povoadas de bares e mulheres envelhecidas que contavam as histórias dos tempos outros, coloniais – relatos enfeitiçados pelo tempo.
Em cadência sincopada, tomou a rua do Obispo, onde os deuses do comércio ainda não ardiam, febris. Chegando ao porto, de onde antigamente se partia e vinha da Europa, sentiu. Num simplesmente, sentiu-se. Percebeu-se e descobriu que era.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

 

Exílio


Rebuliço. Dezenas de cadeiras se arrastam, cadernos se agitam. Meninas enrolam os cabelos úmidos em coques desiguais, meninos os desfazem. Risinhos. Depois, gargalhadas. Bochechas febris. Suor nas têmporas. Ofegantes, os pupilos suspiram, egressos da quadra. Agora na sala, os bocejos se avizinham - perspectiva: avalanche de horas chatas.
O lufa-lufa é laconicamente interrompido pelo som metálico, cada vez mais próximo, dos saltos de Tia Wanda. Não havia dúvida: aqueles tlec-tlec sempre puderam ser identificados há anos-luz. Tlec. Tlec. Tlec. Tlec. À medida que o barulho algoz se intensificava, o silêncio também aumentava. Tlec, tlec, tlec, tlec. Naquele momento, apenas um som existia. Tlec, tlec, tlec, tlec. Ela vinha. Tlec, tlec. Na porta, um início de sombra. Tlec. Tlec.
Ei-la.
1,50m de altura, inflacionados pelo sapato alto, vestiam saias longas e puídas. Os óculos e a gengiva se destacavam. Havia ainda a ausência de um dente lateral, percebida apenas nos dias de sol. Eu tinha certeza: Tia Wanda era um desenho animado.
A professora rapidamente distribuiu figuras somente com contorno, sem qualquer cor ou preenchimento. Eram animais, flores, planetas. Todos pálidos pelo branco do papel. "Mãos à obra!". Giz de cera, tinta, pincel.
Mas, decepção, a minha figura era só um menino. Nada desses bichos que povoam os mares ou as florestas, nem mesmo plantas carnívoras e gulosas, ou ainda objetos espaciais. Era só um menino, desses que eu via todos os dias e que eram inconvenientes e cheiravam mal. Torci o nariz. Passada a frustração, atirei-me à empreitada.
Ao cabo de 20 minutos, obra de arte se via. Um garoto pintado de marrom-terra com cabelos verde-alface caracterizava meu desenho. Expunha-o em cima da mesa, esperando pelo sinal de entrega. Só que Aldo, o menino da carteira ao lado, observava aquela mancha marrom-verde com ponta de riso nos lábios. Não se contendo, comunicou a vizinhança. Logo, um grupo já ria efusivamente e sussurrava comentários aparentemente muito engraçados. Olhava eu o meu menino-borrão e me afeiçoava ainda mais a ele. Vontade de beijá-lo. E se ele tivesse gosto, cheiro, fosse macio? E se saísse do papel e me envolvesse em abraço? Qual seria o tom de sua voz, o contorno de seu sorriso? Num lance, pousei minha cabeça sobre o papel e lá fiquei. E, me parece, a aula acabou.


Arquivos

Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Agosto 2005   Outubro 2005   Janeiro 2006   Maio 2006   Agosto 2006   Janeiro 2007   Dezembro 2007   Fevereiro 2009   Janeiro 2010  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]