breve-brevíssimo ou aquele morre-não-morre

Na iminência do incêndio, o inominável já está à espreita. Uma precisão de dar vida a um que toca, machuca. E lá vai o demônio... embaixo da mesa, na ponta dos dedos, pelas costas, beiço colado ao ouvido esquerdo. De mãos dadas com o diabo, vou ao caminho de Deus. Re-bento. Antes de Maria cerzir as próprias fissuras, o batismo é consumado – a obra já nasce benzida pelo coxo. Fruto de vosso ventre maldito e da maldade de escrever. Ficamos assim: Deus é o significado, o diabo, o significante.

terça-feira, 29 de março de 2005

 

Foda-se esta merda

As bundas do metrô são tão feias... É porque elas não têm Deus no coração... Hã?... O quê?... O que disse?... Que elas não têm Deus no coração... Quem?... As bundas do metrô... Tá louco?... Louco?... Holden tinha razão... Por quê? As bundas do metrô são tão feias... É porque elas não têm Deus no coração... Hã?... O quê?... O que disse?... Que elas não têm Deus no coração... Quem?... As bundas do metrô... Tá louco?... Louco?... Holden tinha razão... Por quê? As bundas do metrô são tão feias... É porque elas não têm Deus no coração... Hã?... O quê?... O que disse?... Que elas não têm Deus no coração... Quem?... As bundas do metrô... Tá louco?... Louco?... Holden tinha razão... Por quê?...


Texto-encomenda para o Fede à Porra

Zum-zum

Eu não imaginava que ele era capaz. Quando me pediu pra ver a bundinha, pensei que enfiaria o dedo ou o pau, cheguei a mencionar a vaselina mas, quando percebi, já estava sentindo sua língua, aquela imensa e úmida língua dele, bem no meio do meu cu. Bem lá. Me senti ridícula, no começo. Só não tive coragem de pedir pra que ele parasse, não queria dar o braço a torcer, mostrando que achava aquilo diferente demais pra mim, dando a entender que estava um pouco chocada e me sentia estranha. Receei que me julgasse inexperiente, ingênua. Permaneci estática e me fiz de natural, sem soltar um ruído - nem de prazer nem de enfado - esperando pelo fim daquela cena que se aproximava de um daqueles filmes pornôs que passam na Band e que a gente assiste quando não tem nada melhor pra fazer. A imagem me bateu uma vontade de rir desgraçada. Segurei o riso estrondoso e denunciador e soltei só um sorrisinho de canto de boca. O problema é que ele não parava. Não parava. Por nada. Não demonstrava um pingo de cansaço ou derrota. Continuava num movimento de ida e vinda com a língua alternando para o de colocar e tirar. Incessante. Tentei alcançar algum objeto próximo e lançar ele ao chão pra ver se o infeliz acordava daquele transe. Rezei pra que o telefone tocasse e eu, fingindo estar esperando por uma ligação importante, desse um pulo e corresse na direção do aparelho. Pensei até em simular uma vontade de urinar ou de fazer cocô. Mas ele me atava ao colchão de tal maneira que me deixava à mercê de sua vontade em acabar logo com aquela situação bizarra. Só que de repente, percebi que a força com que a língua dele entrava e saía da minha bunda fazia um som. Um som estranho, bem baixinho. Tive paciência pra tentar escutá-lo. Um, dois, três segundos. Mais alguns. Era uma espécie de som de "z", mas que continuava e se perdia. Prendi a respiração, me concentrei e daí pude ouvir. Tinha conseguido. Ouvi de novo pra me certificar. Ow, puxa. A língua dele no meu cu fazia um zum...zum... E se repetia: zum... zum... Zum-zum! Zum-zum, zum-zum... Fiquei me distraindo com o som enquanto ele se distraia com meu ânus. Ficou mais um tempo a movimentar a língua e, quando finalmente, decidiu descansar, escutei sua voz rouca e quase sem respiração: "fiz zum-zum e pronto... fiz zum-zum e pronto..."

Arquivos

Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Agosto 2005   Outubro 2005   Janeiro 2006   Maio 2006   Agosto 2006   Janeiro 2007   Dezembro 2007   Fevereiro 2009   Janeiro 2010  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]