breve-brevíssimo ou aquele morre-não-morre

Na iminência do incêndio, o inominável já está à espreita. Uma precisão de dar vida a um que toca, machuca. E lá vai o demônio... embaixo da mesa, na ponta dos dedos, pelas costas, beiço colado ao ouvido esquerdo. De mãos dadas com o diabo, vou ao caminho de Deus. Re-bento. Antes de Maria cerzir as próprias fissuras, o batismo é consumado – a obra já nasce benzida pelo coxo. Fruto de vosso ventre maldito e da maldade de escrever. Ficamos assim: Deus é o significado, o diabo, o significante.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

 

Des-honra.


A Patricia Misson




Ah, o movimento interior, o estardalhaço intrínseco a que entro em contato ao te permitir todas as noites.


Algo que não retenho nem compreendo, leiga e alheia que sou, me acorda na cadência das horas negras. Me sopra barbaridades no ouvido direito. Vem bulir de madrugada. É um espírito ruim e coxo, que debocha do meu pudor, da minha higiene íntima, das pregas intactas do meu cu.

Sou mosaico de retalhos, costuras, fissuras, arrombamentos. Acendendo duas velas, uma pra deus e a outra, irmanando-me com a primeira puta espancada desta madrugada, humilhada, corpo estilhaçado estendido no colchão úmido, boceta arrebentada pelo gargalo da garrafa de cerveja.

Principia num gelo apavorado que desce deslizando pelo dorso e pára no acento agudo e convexo da cervical, pedra fria que frita no lombo em chamas e depois chora. Um saber sem saber. Daí vem os cheiros dos fluídos todos mais o suor, o sebo da nuca e dos fios de cabelo pousados nos lábios. Um cio que rasga a noite da cidade. E então concebo presença.

Miríade de olhos invisíveis: abrem-se aos estalos, paulatinamente, espocam em diferentes pontos do espaço, luzes que descortinam a oferta de deleite; então escondida pela penumbra, é agora exposta no proscênio. E ficam a cuidar e a rodear, perfazendo uma mandala diabólica de êxtase. Vigiado, imóvel, um corpo vulnerável se revela na ribalta, ao sabor dos desejos da audiência sedenta, e, depois, alvo de vozes e toques, é objeto de um rito de cânticos momescos, um assédio suprasensorial.

Ergo-me em sobressalto e é tudo mansidão de repente, coexistindo apenas respiração e desvario. Urro com tudo do de dentro, insensata, tomada, arranhando a garganta porosa. E o olhar que me diz em silêncio, mesmo sem querer ser mensagem, quando contempla - porque eu sei que me vê -, é de uma eloqüência muda.

Em suspenso mantenho a noite. A vida toda por um momento de lucidez, de embriaguez; estar de fato imersa no Sentido. A poesia desse desespero, das lágrimas que me correm, fervilhosas, incandescentes e tudo num arrebatamento que experencio consciente, luminosa e, enfim, comovida com esse deus que me invade de todo, por dentro de mim. E avança, demoníaco. E o meu dentro é agora de oração, de prece comungada com um falo há muito excomungado, que me ocupa as dimensões todas, os orifícios – vermelhuscos, gelatinosos, imensas dilatações oceânicas que abrigam esse Senhor que me detém e rende.





















O diabo me rodeia. Meto-me à escrita, à procura de um Deus. Não sei o que fazer com essa mácula. As palavras começam a me despetalar

Arquivos

Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Agosto 2005   Outubro 2005   Janeiro 2006   Maio 2006   Agosto 2006   Janeiro 2007   Dezembro 2007   Fevereiro 2009   Janeiro 2010  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]